segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sepe protesta contra distribuição de livro de autora ligada a entidade privada

A Secretaria de Estado de Educação está distribuindo para os professores em sala de aula o livro “Depende de vocêcomo fazer de seu filho uma história de sucesso”, da educadora Andrea Cecília Ramal, consultora da TV Globo.

Trata-se de um livro de auto-ajuda, que pretende atingir os pais e responsáveis dos alunos de nossas escolas.

O Sepe está apurando como se deu a distribuição desse livro, se o governo comprou a edição e o distribuiu – o que equivaleria a pelo menos 60 mil exemplares, número de professores em salas de aula.

O Sepe está convocando um protesto para o dia 5 de dezembro, às 14h, em frente à sede da SEEDUC, no Santo Cristo (Avenida Professor Pereira Reis 119), contra a distribuição deste livro.

O ato é um protesto simbólico contra a forma com que o governo estadual trata a escola pública, privilegiando, no caso, uma autora de uma entidade privada, sem discutir com os próprios professores o conteúdo do livro.

Perguntamos: por que o estado não trabalha com autores da UERJ, uma instituição pública e estadual?

A nosso ver, o livro representa mais um tijolinho na construção que o secretário Risolia e o governador Cabral vêm fazendo na tentativa de desmontar a escola pública, e que inclui a montagem de uma política salarial que fala de bônus, mérito, de gratificação.

Política essa que a mídia aplaude de forma explícita, como fez o jornal O Globo, no dia 20/10, quando atacou, em um pequeno editorial, o próprio Sepe e os profissionais, dizendo que temos “arejar a cabeça” etc. Disse mais: que preferimos “ganhar pouco, mas não ser cobrado pelo patrão, no caso, o estado”.

Perguntamos ao jornal: nossas mobilizações por melhores salários e condições de trabalho por acaso são apenas uma farsa? Afirmamos ao O Globo que os profissionais de educação do estado não têm medo de serem cobrados, mas querem que isso ocorra com o governo dando uma contrapartida mínima, que é o cumprimento da lei: a Constituição estadual prevê reajuste salarial anual; uma contrapartida que é a de pagar salários dignos e oferecer boas condições de trabalho. Não isso que está : um piso salarial de R$ 1001,00; salas com 50 alunos; evasão de professores; diminuição do currículo para o aluno etc.

Provocação de O Globo à parte, recomendamos que os ditos formadores de opinião revejam seus conceitos, que mesmo os formuladores da política da meritocracia no exterior, como a educadora norte-americana Diane Ravitch - ex-secretária assistente da Educação nos Estados Unidos no governo Bush, e que também assessorou o governo Clinton. Ravitch, outrora uma defensora da meritocracia, mudou de opinião e hoje prega o fim desta política nas escolas, o fim da privatização do ensino e o fim dos testes padronizados.

A opinião dessa educadora não é pouca coisa.

Não podemos tratar nossas escolas como fábricas, e não podemos tratar nossos profissionais de educação e nossos alunos como mera matéria prima.

Por isso mesmo realizaremos este protestoreivindicamos que a SEEDUC esclareça como (o que foi gasto) e porque está distribuindo este livro; e se foi comprada a tiragem, quanto gastou.

Por tudo isso, o Sepe convoca a categoria a participar do ato, no dia 5, às 14h.

Secretaria de Aposentados do Sepe promoverá 36º Estadual em Friburgo a partir do dia 31 de outubro

A Secretaria de Aposentados do Sepe promoverá nos dias 31 de outubro e 01 de novembro o 36º Encontro Estadual dos Aposentados da Educação. Com o tgema Políticas Públicas para Aposentados e Idosos - o que temos e o que queremos, o evento será realizado no Hoel Bucksy, em Nova Friburgo. Maiores informações podem ser obtidas pelos telefones: (21) 2195-0450.

Durante dois dias, aposentados da educação de diferentes municípios do Estado discutirão temas como conjuntura, políticas públicas e direitos para os aposentados e idosos. Além dos debates e plenárias, a programação inclui a realização de atividades lúdicas e city tour.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Audiência do SEPE Lagos com vereadores sobre a aprovação da LOA



O que vamos relatar aqui, apesar de não ser novidade para ninguém, nos causa espanto e revolta. Presenciamos ao vivo e em cores mais uma estripulia desses vereadores que compõem, infelizmente, a atual  câmara de Cabo Frio. Estripulia esta, que deve ser severamente  punida por nós, eleitores cabo-frienses.
A Direção do SEPE Lagos marcou para o dia de ontem (25/10) uma reunião com todos os atuais vereadores para falar a respeito da inclusão do Plano de Cargos e Salários  na LOA de 2013, a fim de garantir para janeiro de 2013, o tão esperado aumento. Vale ressaltar, que este mesmo plano fora aprovado pelos nobres vereadores há algum tempo. O que ficou pendente foi a inclusão do mesmo na LOA para o ano de 2013. Por inúmeras vezes, ele foi colocado em pauta para votação, e não se sabe por que cargas d’água não foi votado, ou melhor, não sabíamos. Parodiando Cazuza: “a eleição acabou, que coincidência é o amor...” , pois é, a eleição acabou, e com ela acabou a motivação daqueles que lá estão para defender o interesse do povo, no caso aqui, de toda uma categoria que espera há muito tempo ser tratada com dignidade. Havia apenas três vereadores na Casa. O resto não se sabe por onde andava, visto que era dia de sessão. Nós quando faltamos ao nosso trabalho levamos falta, será que o mesmo acontece com esses senhores?  Foi vergonhoso e humilhante o que presenciamos. O que foi alegado pelos três vereadores, foi a não aprovação do plano, pelo motivo do mesmo estar  fora da realidade do município. Segundo eles: foi  elaborado de forma irresponsável pelo atual governo. Fato curioso, pois um dos vereadores que ali estavam teve uma grande participação na elaboração do  plano apresentado. Pasmem! Um deles deixou escapar que  o plano em questão, poderia beneficiar e muito , aqueles que na visão deles,  preconceituosamente representa o menor dos trabalhadores, ou seja, o gari. O plano teria que ser revisto, pois dependendo, teria gari ganhando quase cinco mil reais, e isso, na visão dele não podia acontecer. Só eles podem.  Que contraditório!  Todo o plano agora, segundo os três que ali estavam: Dr. Taylor, Alfredo Gonçalves e Silvan Escapini, teria que ser estudado novamente.  Os três argumentavam em nome de um candidato, como se não fosse papel da atual câmara defender os interesses da categoria. É inacreditável! Pois o candidato não foi empossado ainda, e este também se comprometeu com a categoria, o que cai em contradição.
 A nossa resposta será imediata, podem esperar! Não vamos tolerar mais este descaso com a educação. A data para apresentação desse novo estudo ficou para semana que vem. Vamos aguardar e estaremos lá para cobrar. E sugerimos que os outros colegas de plenária compareçam para a discussão, pelos menos exerçam com dignidade o dever de vocês até os últimos dias.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Audiência do Sepe com a SEEDUC: veja o que foi discutido ontem (dia 24/10)

A direção do Sepe teve uma audiência na SEEDUC ontem (dia 24 de outubro). O encontro foi comandado com os subsecretários de Gestão de Ensino e Superintendência Pedagógica, Antonio Neto e Paulo Fortunati, que abriram a reunião mencionando a intenção de tratar da pauta que havia sido enviada anteriormente pelo Sepe, mas a direção do sindicato lembrou que uma outra pauta havia sido protocolada posteriormente e alguns outros pontos adendados. Veja o que foi discutido:


1- O governo iniciou a reunião, tratando da cobrança dos 15% dos residentes: a cobrança será feita de todo o período passado, desde 1998 até os dias atuais. O valor de 15% do salário mensal será multiplicado pelo número de meses referentes a este período. O subsecretário disse que cada residente recebeu um formulário para ter uma noção da situação real, para negociar o passado e autorizar o desconto em contracheque daqui para frente. Segundo ele, muitos nem eram servidores e outros, apesar de serem servidores, não mais cumpriam horário na escola. Antonio Neto e Paulo Fortunati entregaram para a direção do sindicato uma cópia das leis que tratam dessa questão( Lei nº 8/77 e resolução 2131/98), dizendo que todos que não quiserem pagar o que a lei estipula terão que sair. Questionamos tal medida uma vez que,  possivelmente, nenhum desses residentes deve ter sido informado de tal exigência no momento em que foram morar nas casas. Defendemos que todos fossem anistiados como contrapartida aos trabalhos realizados durante todos estes anos dentro destas escolas, onde a carga horária e responsabilidades dos mesmos ultrapassavam suas funções.   Paulo Fortunati foi taxativo, dizendo que a secretaria cumpriria a lei. Solicitamos a relação dos colégios com residentes. Ele disse que poderia nos dar o quantitativo.


2-CIEP 125- construído em 1985 e que teve seu terreno ocupado por uma obra para a construção de uma filial do Supermercado Guanabara. Mais uma vez, citando legislação, o governo disse que fez uma permuta de área e que não via nenhum prejuízo para a comunidade escolar, pois tudo foi analisado por uma equipe técnica da SEEDUC. Depois que a direção do sindicato argumentou que a obra dentro do terreno da escola era absurda o subsecretário Antônio Neto disse que iria fazer uma visita ao local para ver como está a situação do CIEP e das obras.


3- Ensino Profissionalizante- com o discurso de que o mundo do trabalho mudou e de que é preciso adequar os cursos a tais mudanças o governo apresentou detalhadamente seu projeto de reformulação, já aprovado pelo Conselho Estadual de Educação. Ressalta que o ensino técnico é de competência prioritária da FAETEC, mas que há a possibilidade de implantação de Ensino Médio Integrado à Educação profissionalizante. Foi feita uma retrospectiva de como eram criados os cursos técnicos no passado e mencionada as mudanças a partir da criação da FAETEC. Eles apresentaram um mapeamento das escolas que oferecem cursos técnicos, professores capacitados e disciplinas; das 89 escolas com curso profissionalizantes, onde  esses professores podem trabalhar. Foi mencionado também que, com relação aos cursos de mecânica, informática, enfermagem, a FAETEC deverá manter porque existem demandas do mercado, mas que ainda não está definida a absorção de todos os cursos pela FAETEC.


Os subsecretários citaram o programa “Dupla Escola”, que foi lançado recentemente, e mencionaram o projeto NAVE em parceria com a Oi e as parcerias com empresas privadas e o sistema S. Sobre o Normal médio estão focando na educação infantil;


4- Novo EJA- Em 2013, o Nova EJA é a primeira estratégia para a redução idade-série, a segunda éo Projeto Autonomia. Segundo eles, se forem considerados os dados apresentados, o Rio vai levar 20 anos para acabar com a distorção série/idade. Eles disseram que, ontem (dia 24), estiveram no  Fórum EJA para conversar sobre o projeto da SEEDUC e que 117 escolas não receberam a bonificação por conta do EJA. Hoje, o perfil deste segmento é de pessoas com muita idade ou jovens que são empurrados do ensino fundamental e acabam ficando dois anos a mais. O novo EJA funcionará em três horários: diurno (7h50m/11h10m); vespertino (12h50m/16h10m) e noturno (18h50m/22h10m). 


Os secretários também falaram do novo horário escolar que iniciará às 18h50m, com 4 tempos de aula com 50 minutos das disciplinas obrigatória e disciplinas optativas. Terminando às 22h10m e a disciplina Educação Artística só será oferecido no quarto módulo. A previsão da SEEDUC é de que cerca de 5 mil alunos com mais de 21 anos serão atendidos no Novo EJA.


Sobre o Curso de Formação, foi informado que ele será realizado em duas etapas: primeira semana de dezembro e primeira semana de fevereiro.


6- Animação cultural:  não quiseram  tratar do tema, apesar da fala da direção do Sepe fazendo um resumo da atual situação destes profissionais.


7- Perguntados se os funcionários vão receber o bônus novembro( finados) disseram que não sabiam  responder.


8 – Advertência pelo não lançamento de notas: Garantiram que sobre o não lançamento de notas do Conexão Educação, os subsecretários afirmaram que os professores não podem receber advertência por se recusarem a lançar suas notas pelo sistema;


Solicitamos outra audiência com os subsecretários Antônio Neto e Becker, bem como com Patrícia Reia para que eles possam responder sobre os dias abonados que não estão sendo levados em conta e prejudicam as  licenças- prêmio.

SEPE Lagos informa:

Teremos audiência hoje, com os vereadores de Cabo Frio, para tratar-mos da Lei Orçamentária Anual (LOA)

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Sepe teve audiecia hoje na SEEDUC

Terminou pouco a audiência do Sepe com os subsecretários estaduais de Educação, Antonio Neto, e Paulo Fortunato.

Na reunião, os representes da Secretaria afirmaram que não nenhuma determinação por parte do governo de retaliar, administrativamente, os professores que não lançarem nota no Conexão – ele informou que o professor que não participar não receberábonificação, como foi informado em DO. Qualquer ameaça por parte de alguma direção de escola deve ser denunciada.

Eles informaram, também, que "estão trabalhando para que não nenhum professor fique sem escola".


Sepe terá audiência com a SEEDUC na tarde desta quarta (24/10)

       A direção do Sepe terá uma audiência hoje com o subsecretário de Educação, Antonio Neto, na SEEDUC, a partir das 15h. Na pauta do encontro, entre outros assuntos pendentes da rede estadual, a direção do sindicato vai cobrar explicações sobre o porquê do governo do Estado não incluir na previsão de Lei Orçamentária para 2013 um percentual de verbas que garantam um reajuste para a educação e a saúde do estado. No projeto enviado para a Alerj, estão previstos dois aumentos para o setor de segurança que, juntos, alcançam um índice de cerca de 24% de aumento para policiais militares, civis e bombeiros. Outro ponto que o Sepe deverá abordar na audiência é o problema do fechamento de unidades da rede estadual e a falta de reajuste salarial em 2012. 

Risolia anunciou hoje liberação do "vale cultura" (R$ 500,00) para o dia 2/11


      Hoje, o secretário Risolia anunciou no Jornal O Dia a liberação do chamado "vale cultura", com o deposito na conta dos professores de R$ 500, no dia 02 de novembro. Segundo o secretário Risolia, esses R$ 500 se detinam para que "os professores possam investir para melhoria do desempenho da sua função". Desde o lançamento do bônus, em 2011, o vale tem sido muito criticado pela categoria e pelo Sepe, que não representa qualquer reajuste salarial que se incorpore ao salário muito baixo dos profissionais e não tem uma periodicidade definida. Durante a greve de 2011, que durou mais de dois meses, o Sepe chegou a promover um "Dia de ida ao supermercado" para que a categoria utilizasse o valor na compra de mantimentos.  Dados da propria secretaria mostram que da última vez que o "vale cultura foi depositado" mais de 20% da categoria utilizou o dinheiro para gastos com alimentação e outros de ordem financeira por causa dos baixos salários.

sábado, 20 de outubro de 2012

Sepe contesta avaliação do Bird sobre eficiência de professores na rede estadual

          O anúncio da SEEDUC do início em novembro da visita de coordenadores pedagógicos da Secretaria treinados pelo Banco Mundial (BID) PARA "medir a eficiência dos professores em sala de aula" - a iniciativa faz parte de um programa conjunto do governo do estado com o BID, no qual técnicos educacionais foram treinados pelo banco para alavancar um projeto-piloto que pretende avaliar os professores - foi prontamente rejeitado pelo Sepe. O anúncio do início do projeto foi feito em matéria publicada pelo jornal o Globo (19/10), que explica que o proejto  foi realizado em mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco e do município do Rio. A desculpa do secretário de estado de Educação Wilson Risolia é a de que o "trabalho permite a confecção de um mapa sobre onde atuam os melhores mestres do estado" e o objetivo seria identificar características no trabalho deles que seriam multiplicadas através de cursos de capacitação continuada. Num segundo momento, o secretário admitie que os resultados deverão levar à concessão de uma bonificação permanente".

Mais uma vez, o secretário Risolia, que é economista e não educador  provas da sua prática tecnicista e não educacional, querendo medir eficiência dos profissionais de educação por meio gráficos, tabelas e mostras de desempenho. Tudo isto sem levar em contas desigualdades da rede, a falta de investimentos do governo do estado no setor e os salários miseráveis que são pagos aos profissionais, que trabalham no limite, massacrados para cumprir as metas impostas pelo projeto educacional do governo estadual. A parceria com o BIRD - amanhã, quem sabe não será com o FMI? - foi anunciada ontem (dia 18/10) no Global Economic Symposium, que está acontecendo no Rio de Janeiro. 


Monitores atuarão como espiões no fundo das salas de aula


A metodologia do programa do BID em parceria com Risolia chega a beirar as raias do ridículo: segundo Barbara Bruns, economista do BID "responsável pela educação na América Latina!", os coordenadores treinados ficarão no fundo da sala, sguindo um método adotado nos Estados Unidos, fazendo anotações sobre os materiais usados pelos professores, as atividades realizadas e o envolvimento dos alunos. A técnica continua falando na matéria do Globo, afirmando que "a educação é a única indústria (sic) emq ue os "operários" não têm performance avaliada de forma objetiva em prol da otimização do tempo".

Ouvida pelo jornal a direção do Sepe se mostgrou contrária a tal projeto e criticiou a iniciativa de transferência de sistemas de avaliação de cunho econômico para a área educacional. Para o Sepe o programa segue a linha adotada por Cabral e Risolia de punir e reponsabilizar o professor por todas as mazelas


fonte: O Globo