De portas fechadas para o povo, Fazenda de Cabo Frio dá as costas aos profissionais de educação



Na manhã desta terça-feira (14), dezenas de profissionais da educação da rede municipal de Cabo Frio manifestaram-se na porta da Secretaria Municipal de Fazenda para exigir o pagamento do salário de dezembro, o 13º de 2019, 1/3 de férias, vale-transporte, 35% relativo ao 13º de 2016 dos aposentados e demais dívidas que o governo municipal se nega a quitar com os servidores educação. Os trabalhadores reuniram-se pacificamente na porta da secretaria, sem impedir o trânsito local, e mesmo assim o Secretário de Fazenda Clésio Guimarães orientou os guardas municipais a bloquear o acesso ao prédio enquanto durasse a manifestação.

Na avaliação dos diretores do Sepe Lagos, esta orientação de bloqueio do prédio foi uma tentativa frustrada do órgão de jogar contra o movimento dos educadores a população local que precisa resolver problemas junto à Secretaria de Fazenda, como pagamento de IPTU, por exemplo. Além de bloquear o prédio de maneira autoritária e ilegal, Clésio também se negou a receber representantes do Sepe Lagos.

Ocupamos as ruas novamente

Após cerca de uma hora e meia na frente da Secretaria de Fazenda, os educadores decidiram sair em passeata pelas ruas de Cabo Frio para denunciar a negativa do órgão em receber a categoria. Os manifestantes marcharam até a sede da prefeitura, onde o Secretário Municipal de Governo, o vereador Miguel Alencar (PPS-RJ), conversou com alguns membros da comissão de negociação do Sepe Lagos.

O calote nunca acaba

Pela terceira vez apenas neste mês, o governo municipal faz uma nova promessa de pagamento aos profissionais da educação de Cabo Frio que não será cumprida. A prefeitura havia prometido inicialmente pagar aos profissionais até o 5º dia útil desse mês, depois afirmou que pagaria alguns setores da categoria a partir do dia 15 de janeiro (quarta-feira), de maneira escalonada.

Hoje, de acordo o informe repassado pela professora Denise Teixeira ao final do ato, na porta da prefeitura, o secretário municipal de governo, Alencar, já inseriu uma nova mudança no discurso da prefeitura. Agora, afirma-se que só há expectativa de começar a pagar parte dos profissionais efetivos da educação a partir do dia 17 de janeiro (sexta-feira), enquanto os contratados só receberiam a partir do dia 25 de janeiro. Já o 13º de 2019, segundo o informe da comissão de negociação, só seria pago após o dia 10 de fevereiro.

É preciso manter a luta

Uma recente vitória judicial do departamento jurídico do Sepe Lagos (ver aqui) garantirá o pagamento do 13º salário de 2019 aos aposentados, pensionistas e trabalhadores em licença médica. Mas para que a categoria arranque da prefeitura todos os direitos que estão sendo negados pela prefeitura, é preciso manter a mobilização com força total.

Amanhã, conforme foi deliberado em assembleia, a comissão de mobilização do Sepe Lagos se reunirá para definir os próximos passos na luta pelo pagamento imediato dos salários e direitos da categoria. Fique alerta e acompanhe pelos canais oficiais de comunicação do Sepe Lagos as próximas convocatórias para ações unitárias dos trabalhadores da educação municipal.

Postar um comentário

0 Comentários